A Massagem: um mundo de bem-estar

massagem em torres vedras

A massagem, relaxante ou terapêutica, tem efeitos benéficos quase ilimitados para a saúde. São, por isso, utilizadas numa variedade de situações, desde o relaxamento comum até casos extremos, como nos cuidados paliativos. Também, não necessitam de ser aplicadas exclusivamente como um tratamento pós-trauma, já que a sua acção tem muitos componentes úteis à prevenção.

Parte da razão dessa polivalência é o facto de a massagem não ter dor associada, conseguindo mesmo assim efeitos notáveis, como a redução dos níveis de cortisol, a hormona criada pelo stress. De facto, as técnicas de massagem promovem a circulação sanguínea e linfática, mas também aumentam o fluxo de nutrientes no organismo, solucionam edemas e tratam hematomas e estimulam a cicatrização. Por outro lado, a sua acção no funcionamento mecânico do corpo consegue que músculos e tendões fiquem mais flexíveis e que as articulações funcionem melhor.

Os movimentos utilizados nas técnicas de massagem ajudam, entre outras coisas, a oxigenar todo o corpo, levando o sangue ao seu organismo de forma mais intensa e com maior velocidade. São por isso utlizados no tratamento, mas também na prevenção de doenças da circulação sanguínea. Também, esses movimentos melhoram as funções viscerais, agindo sobre vários órgãos internos, que normalmente apresentam melhor funcionamento se massajados correctamente.

O exercício físico é também uma actividade que beneficia muito da aplicação de técnicas de massagem, por um lado na recuperação muscular, mas também na preparação para o desporto. Neste último caso, a massagem consegue ganhos significativos na prevenção de lesões, mas também na obtenção de melhores resultados, e é por isso muito usada em ambientes competitivos.

Falámos, até aqui, principalmente de técnicas que aliviam a tensão muscular, mas os efeitos da massagem são, dependendo da técnica utilizada, muito mais vastos. Efeitos menos conhecidos incluem a melhoria da respiração, o alívio da inflamação e a libertação de endorfinas. Por isso, é comum a massagem ter indicação terapêutica para problemas de sono, resolução de problemas de stress e mesmo no alívio da fibromialgia.

A lista de patologias que podem ser tratadas com massagens terapêuticas é vasta demais para ser aqui listada completamente. No entanto em algumas delas a massagem é realmente um tratamento de alto impacto. Por exemplo nas insónias, cefaleias, tensões musculares, ansiedade, diabetes, doenças coronárias, alívio da dor, problemas do sistema digestivo e urinário e complicações na saúde da pele. Há ainda um grupo de técnicas específicas que são muito úteis para certos pacientes. Falamos da massagem a crianças, em que, além dos benefícios atrás listados, ainda se conseguem melhorias no crescimento e bem-estar, e da massagem gestacional, dirigida a grávidas.

A massagem é, no entanto, uma via terapêutica muito específica, que exige especialização e muito saber por parte do terapeuta. Mesmo uma comum massagem de relaxamento, terá um efeito muito mais profundo e actuante se proporcionada por alguém com o domínio das técnicas. Por isso, procure sempre terapeutas com especialização, experiência e saber. Na Clínica Almond Blossom, esses são os requisitos mínimos de qualquer acção terapêutica, por isso pode contar connosco para lhe proporcionarmos massagens que transformarão o seu quotidiano.

Blossom, a cuidar de si.

Hipnose para o desempenho atlético

Visualizar o Pico do Desempenho Atlético e a Ligação Corpo Mente

Um artigo por niki paterianaki

A hipnose para o desempenho atlético, ou para melhorar o desempenho desportivo, tem a capacidade de ajudar o/a atleta a concentrar-se de modo a não se distrair com pensamentos negativos ou preocupações, mas sim estar no seu melhor desempenho possível. A hipnose para melhorar o desempenho desportivo é utilizada por muitos atletas e equipas de topo e já existe há muitos anos. Quer seja um atleta profissional, atleta olímpico, ou apenas desfrute de um desporto como o golfe ou o ténis numa liga ou com amigos para se divertir, a hipnoterapia pode ser uma ótima forma de melhorar o seu jogo.

Com a ajuda de um Hipnoterapeuta, um atleta pode melhorar dramaticamente o seu desempenho, estilo, postura e autoconfiança. A utilização da hipnose pode até ajudar a acelerar a recuperação física, a remover sentimentos negativos, dúvidas, stress e tudo o que possa dificultar um grande desempenho.Muitos atletas famosos usam ou já usaram a hipnose para melhorar o seu desempenho, incluindo os grandes do basquetebol Michael Jordan, Kobe Bryant, e Shaquille O’Neal, os bem conhecidos golfistas Tiger Woods e Jack Nicklaus, o grande nadador olímpico Michael Phelps e muitos outros. Também, o seu uso começa a ser generalizado em equipas desportivas profissionais, como os Chicago White Sox, a equipa nacional suíça de esqui, a equipa americana a competir no Campeonato do Atlântico de Judo, várias equipas de futebol na primeira liga britânica, Austrália, México e Brasil, assim como nos EUA, em futebol americano.

Factos Importantes sobre a Hipnose para o Desempenho Atlético

– A hipnose é uma atividade intelectual natural que TODOS os humanos experimentam TODOS os dias.

– É natural e normal, não sobrenatural ou mágica.

– Não usa anestesia nem indução por drogas.

– Não é sono, pelo que está ciente de tudo e permanece no controlo: NÃO controla a mente.

– A hipnose é uma técnica de comunicação que utiliza sugestões psicológicas: sob hipnose, a pessoa hipnotizada está mais aberta a sugestões.

– O resultado da hipnose é que ganha maior controlo sobre as suas próprias mentes e sobre as suas próprias ações.

– A hipnose é uma técnica científica de terapia psicológica.

Como Funciona: Criação de Novas Vias Neurológicas

A neuroimagiologia mostrou que com a prática mental ou ensaio mental, o cérebro muda para refletir as competências melhoradas que estamos a imaginar. O Hipnoterapeuta ajuda o atleta, utilizando a visualização e as imagens para se ver a praticar o seu desporto exatamente da forma que deseja. Este processo cria novas vias neurais no cérebro que equivalem a memórias de realizar a forma como o atleta gostaria de realizar. O corpo e a mente trabalham então em conjunto para reproduzir essa memória imaginada.

Nunca é demasiado cedo ou demasiado tarde para usar a hipnoterapia na prática desportiva. Esta terapia é ótima tanto para adultos como para crianças e adolescentes.

Como Funciona: Visualização no Desempenho Desportivo

A maioria dos treinadores eventualmente introduzirá a visualização aos seus atletas. A visualização implica que o atleta veja e experimente o sucesso na sua mente. É-lhes pedido que se imaginem a realizar exatamente como gostariam de realizar. Um Hipnoterapeuta especializado em desporto e atletismo pode ajudar com que resultados maiores sejam alcançados porque o terapeuta pode ajudar o atleta a entrar no estado de hipnose que é um estado de maior consciência, permitindo assim uma concentração muito maior e melhorando também a capacidade de visualização. Na hipnose, uma pessoa seria mais capaz de se ver a si própria a executar as tarefas com a vantagem de o resultado correto esperado ser colocado no subconsciente onde formaria a programação do atleta.

Neste estado, o terapeuta pode também ajudar a eliminar dúvidas ou medos de experiências negativas passadas. É sabido que a dúvida de si próprio é um dos contribuintes para um mau desempenho. Mesmo quando tudo o resto é feito corretamente, a dúvida pessoal pode prejudicar até mesmo o melhor desempenho do atleta. A imaginação e a memória são muito poderosas e podem sobrepor-se à razão.

Pensamentos negativos e dúvidas pessoais podem também provocar uma lesão ou uma cãibra num momento crucial.

Como Funciona: A Ligação Corpo-Mente

Esta é a “ligação mente/corpo”. Quando um atleta tem falta de confiança e não acredita que é capaz de vencer ou ser “o melhor”, o seu corpo irá, de certa forma, acompanhá-los, tendo dores, o que os proíbe de continuar na competição. É claro que isto não está a acontecer de forma consciente ou propositada.

Acontece porque os pensamentos do atleta têm tido um padrão negativo e a mente subconsciente está sempre a tentar proteger a pessoa da dor ou fracasso mental. A dor ou lesão física surge como uma saída em vez de o atleta ter de admitir que simplesmente não acredita que é suficientemente bom. Muitos atletas conhecidos têm trabalhado com hipnoterapeutas para conseguir mudanças de comportamento significativas que podem resultar em ganhos no seu desempenho.

Resultados

A hipnose pode reestruturar processos cognitivos essenciais para o desempenho atlético (autoconfiança, atenção e memória): os atletas podem tirar partido deste estado “de crença” para melhorar e explorar as potencialidades das suas condições físicas. Sugestões positivas sob hipnose podem ajudá-los a reconstruir a sua autoconfiança, permitindo-lhes concentrarem-se mais na sua tarefa para atingirem mais facilmente os seus objetivos.

A hipnose para o desempenho atlético pode aliviar a ansiedade dos atletas: o espírito negativo e a tensão mental não podem afetar apenas o seu treino diário e a sua vida, mas podem também afetar o seu desempenho em competição. O stress pode afetar tanto as funções fisiológicas como psicológicas. O primeiro inclui aumento da frequência respiratória, frequência cardíaca, e aumento da pressão arterial; o segundo inclui perceções desfocadas, reações abrandadas, e pensamento e atenção distraída. Estes fatores negativos podem influenciar o desempenho dos atletas durante as competições. A hipnose pode ser utilizada para reduzir os diferentes níveis de tensão e stress dos atletas antes e durante as competições.

A hipnose pode reduzir os medos dos atletas: os medos de um atleta individual podem evoluir para um efeito de grupo que torna desafiante a continuação do treino em grupo. Além disso, os medos podem levar a perturbações do pensamento dos atletas, incapacidade de concentração, tensão muscular relacionada, aumento do ritmo cardíaco e da respiração, fraqueza dos membros e mesmo colapso. Estes fenómenos podem causar distorções nos movimentos dos atletas e em casos graves, acidentes e lesões. Felizmente, a hipnose pode aliviar o medo, o stress, a ansiedade e pode ser utilizada para ajudar a lidar com o distúrbio do pânico.  A hipnose proporciona aos atletas uma oportunidade ideal para aprenderem a permanecer relaxados enquanto enfrentam estes medos e atuam nas competições.

A hipnose para o desempenho atlético pode ajudar os atletas a aprender e a melhorar a sua técnica: A melhoria das técnicas e táticas individuais dos atletas não depende só da melhoria da força muscular e das qualidades físicas, mas também depende da mentalidade dos atletas. Portanto, qualquer atividade física é uma combinação cérebro-corpo. Damos particular ênfase ao treino da imaginação dos atletas, uma vez que os ajuda a desenvolver as suas forças, eliminar as suas fraquezas, desenvolver as suas capacidades desportivas, permanecer confiantes, concentrados e motivados. Os atletas são frequentemente encorajados a imaginar o evento crítico no seu treino e a identificarem-se com o desempenho tanto quanto possível. Além disso, é evidenciado que a hipnose pode melhorar a qualidade da imaginação sobre a autoeficácia, a aquisição de competências e o desempenho atlético. Devido ao estado relaxado em que os atletas se encontram quando estão hipnotizados, os resultados do treino de capacidades de imaginação são melhores do que os do treino em estado de vigília, o que pode ajudar os atletas a ganhar e melhorar a sua técnica individual de forma mais eficiente. Mesmo uma intervenção hipnótica de 10 minutos pode melhorar a precisão do lançamento num teste de bola de ténis e a retenção do efeito pode durar uma semana (ver estudo Jalene e Wulf, 2014). 

A hipnose para o desempenho atlético pode ajudar os atletas a aliviar rapidamente a fadiga e restaurar a energia: O treino dos atletas é contínuo e de alta intensidade, o que pode levar a frequentes dores musculares e esforço físico. Por conseguinte, os atletas normalmente requerem um sono adequado, massagem, hidroterapia e refeições nutritivas para restaurar a sua força física e energia. Contudo, durante a competição, a fadiga e o esforço físico podem ser fatores decisivos para o sucesso ou fracasso da competição. Se um atleta tiver mais energia do que o seu adversário, pode também ter mais hipóteses de vencer do que o seu adversário. Por conseguinte, é vital repor energia e restaurar rapidamente a força física durante a competição. A hipnose pode rapidamente aliviar a fadiga e restaurar a força física.  Quando o atleta entra no estado hipnótico, os seus músculos podem ser totalmente relaxados.

A hipnose pode ajudar com o sono: é natural que os atletas possam estar nervosos antes de uma competição, especialmente quando enfrentam uma competição relacionada com a conquista de un título. Podem ter dificuldade em adormecer devido a uma tensão extrema. O sono insuficiente irá afetá-los e impedi-los de recarregar os seus corpos e restaurar as suas forças, o que irá afetar o seu desempenho no jogo do dia seguinte. A hipnose pode ajudar os atletas a entrar num estado de relaxamento. O hipnoterapeuta ajudará os atletas com problemas de sono, encorajando-os a relaxar e criando-lhes uma oportunidade para reorientarem os pensamentos e emoções. A hipnose pode também reduzir sintomas como ansiedade e depressão, bem como tratar a dor, e estes fatores estão fortemente relacionados com problemas de sono ou podem causar perturbações do sono.

Medicina ocidental e medicina oriental: antagónicas ou complementares?

Na Almond Blossom, acreditamos que a medicina ocidental é muito eficiente no tratamento de doenças e problemas de saúde, mas que, recorrendo a práticas da medicina oriental, como a medicina tradicional chinesa (MTC), podemos evitar ou suavizar grande parte desses problemas. Isto acontece porque um estilo de vida saudável, com a integração de terapias complementares, como a acupunctura, fortalece a capacidade de nos defendermos de agressões ao nosso corpo.

Curar ou prevenir? Soluções para um mesmo organismo

À partida, estas duas abordagens da medicina são divergentes em muitos aspectos, e isso é especialmente evidente em cada caso clínico. Enquanto na medicina ocidental o paciente recorre a especialistas para cada um dos seus diferentes problemas, na medicina oriental, por outro lado, esse processo é integrado numa perspectiva que vê as queixas como resultado de desequilíbrios de um todo. Mas serão estas duas ciências assim tão opostas?

A imunidade, ou seja, a capacidade de defesa do nosso organismo, é um exemplo perfeito dessas diferenças, mas também dos múltiplos pontos de contacto entre as duas abordagens. Nos dois casos, percebe-se a imunidade como a capacidade do nosso corpo responder a agressões externas. Apesar disso, no caso da medicina ocidental, essa capacidade está muito associada ao sistema linfático, enquanto na medicina tradicional chinesa, se acredita que a grande responsável pela defesa do organismo é a energia Wei.

No entanto, estas duas formas de ver a imunidade têm mais em comum do à partida parece, na forma que tomam. Por exemplo, o sistema linfático é externo aos canais de circulação sanguínea, enquanto a energia Wei também é externa aos canais onde a energia nutritiva circula, por ser mais Yang, ou seja, com mais capacidade de movimentação. Coincidentemente, todos os pontos de acupunctura que fazem movimentar a energia Wei estão localizados em gânglios linfáticos. Mas as correspondências não para por aí.

Na acupunctura, quando queremos reforçar o sistema imunitário, os tratamentos incidem sobre a energia associada aos rins. Desde a antiguidade que se sabe que os rins estão ligados, em termos anatómicos, aos ossos, e, consequentemente, à medula óssea. A medula óssea é o ponto de partida de todos os linfócitos que, através do sistema linfático, vão proteger o nosso organismo. Produzem-se os linfócitos B, que são responsáveis pela imunidade geral. Quando queremos também na imunidade mais específica, usamos pontos do fígado, para os linfócitos T. A energia Wei está associada aos rins e aos ossos, e consequentemente, está associada ao sistema linfático.

Uma ou outra? As duas!!

A relação entre a medicina oriental e ocidental pode ser vista como muito pouco coincidente, dada a discrepância entre os conceitos que as sustentam. No entanto, existem ainda mais pontos de contacto que os referidos, sem sairmos da imunidade, como a associação de uma melhor saúde a factores psicológicos.

A medicina ocidental começa a pensar no bem-estar psicológico como uma fonte de maior imunidade. Isto acontece na recuperação após intervenções e, também, como um factor essencial na cura. Também a medicina tradicional chinesa integra esses factores, de forma activa, nos seus tratamentos, já que o diagnóstico psicológico faz parte de qualquer tratamento. Nesse sentido, na MTC acredita-se que o stress afecta os rins, que como vimos são essenciais para a energia Wei, mas também, que a cólera tem influência negativa no fígado. É curioso que, verificar que na nossa sociedade, que vive em permanente stress, aparecem cada vez mais doenças auto imunes. Quando estas emoções atingem os rins e/ou o fígado, temos a produção de linfócitos B e a sua transformação em linfócitos T comprometida, constituintes fundamentais do sistema linfático.

De facto, as correspondências são múltiplas, mas existe uma separação clara entre conceitos. A medicina oriental aponta os seus esforços para a prevenção, através da manutenção do equilíbrio energético do nosso corpo, enquanto a medicina ocidental procura respostas para cada situação de saúde em particular. O caminho ideal deve, portanto, procurar integrar as duas vertentes. Por um lado, aproveitando as potencialidades da medicina oriental, mas nunca esquecendo que a medicina ocidental tem respostas essenciais para condições de saúde problemáticas ou em estado avançado.

Fontes: Dr. Carlos Loureiro, Professor de Acupunctura no IPluso, segundo os ensinamentos do Dr. Tran Viet Dzung.

Sabia que…

A OMS define as Medicinas Complementares como sendo medicinas que abrangem todas as terapias que não são utilizadas pela medicina convencional?

De acordo com a OMS, estas medicinas têm vindo a aumentar em todo o mundo, sobretudo em países em desenvolvimento e, também, já se tem vindo a notar um aumento em países industrializados.

• Na China, 30 a 50% da população recorre à medicina tradicional.
• No Gana, Mali, Nigéria e Zâmbia a primeira linha de tratamento para 60% das crianças com febres altas, resultantes da infeção por malária, são plantas medicinais.
• Em São Francisco, Londres e África do Sul, 75% das pessoas com HIV/SIDA usam medicinas complementares.
• Na Europa, E.U.A. e outras regiões industrializadas, mais de 50% da população recorreu a medicinas complementares, pelo menos, uma vez na sua vida.
• No Canadá, 70% da população recorreu medicinas alternativas e complementares, pelo menos, uma vez.
• Na Alemanha, 90% da população usou um medicamento natural, pelo menos, uma vez na vida.
• Segundo a FENAMAN (Federação Nacional Medicinas Alternativas Naturais), mais de 2 milhões de pessoas recorrem regularmente em Portugal às Medicinas Complementares.
• Nos E.U.A., 158 milhões de pessoas recorrem às medicinas complementares e estima-se que se gastem 17 milhões de dólares por ano em remédios naturais.
• No Reino Unido, a despesa anual com medicinas complementares ronda os 230 milhões de dólares.
• O mercado global de plantas medicinais ronda os 60 mil milhões de dólares americanos por ano e continua em constante crescimento.

Falar por telefone
Enviar uma mensagem
Partilhe esta página